Tag: Viagem

Intercâmbio High School? Vem saber como é!

Arrumar as malas, pegar o visto ou passaporte, se despedir dos amigos e da família, etc. É necessário checar tudo, para que a viagem que organizou dê certo.

Para se ter noção, o número de agências do segmento de Estudos e Intercâmbios cadastradas no Cadastur, do Ministério do Turismo, identificou que entre os anos de 2009 e 2016, de 945 agências, foi para 5.425 empresas entre os estados com maior número: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

E é obvio que são os jovens que optam por querer conhecer novas culturas, novas pessoas e novas experiências, uma nova língua.

Para você, leitora da Garota da Cidade entender melhor, como se prepara uma viagem de intercâmbio, veja a seguir a entrevista com a estudante Ana Clara Ebert que passou cerca de 1 ano no Canadá e aprendeu muito com esta experiência em sua vida.

 

Embarque nesta entrevista abaixo:

 

Garota da Cidade: Qual foi a experiência de morar em casa de família (prós e contras)?

Ana Clara: Morar em casa de família baseia-se em sorte. E felizmente, eu posso dizer que dessa eu tive muita. Minha família era pequena (apenas meus pais e eu), mas maravilhosa! Eles me acolheram e me trataram como filha própria, e hoje, eu os considero como minha segunda família. O lado bom de morar com “host family” (casa de família) é a possibilidade de estar completamente imerso na cultura do pais, e portanto, observando de perto a rotina comum das pessoas; além de seus hábitos, suas comidas e celebrações típicas. O fato de estar ao redor de pessoas que gostam e se preocupam com você ajuda muito ao longo da experiência, sendo assim, mais difícil se sentir sozinho. Entretanto, para alcançar essa harmonia é necessário entrar em consenso com as regras da casa. Isso vai de cada família. No meu caso, tais regras eram bem aceitáveis, como por exemplo: “curfew” (o horário para voltar de noite aos finais de semana), guardar a louca levada, limpar meu próprio quarto e banheiro, lavar minhas roupas na máquina, etc. Se as regras da família não correspondem ao desejado, existe a opção de troca de família. Mas, honestamente, a maioria das famílias apresentam essas regras básicas, e meu conselho é tentar se adaptar a elas. Afinal de contas, a família (geralmente) também está tentando se adaptar à nova situação.

 

GC: Como é a volta depois do intercâmbio?

AC: Eu diria que foi uma das partes mais difíceis pra mim. Durante o intercâmbio a sensação de liberdade que eu tive foi imensa. Eu tomava minhas próprias decisões e sentia um prazer inexplicável de poder ser qualquer coisa que eu queria ser. Foi como começar uma vida do zero, onde tudo é novo e inesperado, e o melhor, ninguém te conhece. Se adaptar de volta a minha vida no Brasil leva tempo. Eu precisei e ainda preciso me lembrar que a situação não é mais a mesma, eu não tenho mais tanta liberdade como antes, em termos de locomoção (só andava de ônibus e bicicleta lá), financeiros (tive que aprender a lidar com meu próprio dinheiro), além de não ter que dar muita satisfação para os meus pais, como é aqui no Brasil (risos). Sem falar da saudade que eu tenho de todas as pessoas que eu conheci e que foram muito importantes pra mim. Em resumo, é só mais um processo de adaptação inevitável; e quando bate a saudade, me lembro de agradecer pela experiência incrível que eu tive.

 

GC: Você acha que as pessoas mudam depois do intercâmbio? E foi difícil se acostumar por ficar tão longe de casa por muito tempo?

AC: Isso depende muito da pessoa e um pouco da duração do intercâmbio. Eu pessoalmente mudei bastante a partir do segundo semestre (na metade do intercâmbio); foi quando eu realmente sai da minha zona de conforto e me abri totalmente para a experiência. No começo, levei um tempo para me adaptar com a rotina, alimentação, escola e principalmente com a língua. E até ai eu já havia aprendido muitas coisas, mas não mudado muito como pessoa. Aos poucos fui aprendendo e percebendo coisas as quais não faziam parte de mim antes, e por isso que um ano completo foi o tempo perfeito de intercâmbio pra mim. E hoje eu me sinto diferente internamente. Mas esse tipo de coisa vai muito do tipo de pessoa e da experiência que ela teve. Meu conselho é tentar se abrir um pouco diante daquilo que é diferente ou que você não está acostumado; é realmente surpreendente o que você pode aprender com isso.

 

GC: Qual cidade você optou por estudar? E porquê da escolha?

AC: Eu estudei em Ottawa, capital do Canada. Para ser completamente honesta, minhas decisões foram bem confusas e totalmente em cima da hora. Porém, se deram baseadas no meu processo de relacionamento e paixão com viagem que já era antigo. Eu havia tido experiências anteriores de intercâmbio nas cidades de Londres e Vancouver durante o primeiro e segundo colegial respectivamente; contudo, foram escolas de verão com duração apenas de um mês. Após minha volta de Vancouver em julho do ano passado (2015), eu decidi que queria retornar para um intercâmbio de um semestre. Todavia, já estava a um mês do início do ano escolar canadense e todas as vagas para Vancouver estavam ocupadas; e portanto, entre as poucas opções de cidades restantes, decidi escolher Ottawa, sendo a capital. Como se já não bastasse; no fim do ano, decidi prolongar o intercâmbio para mais um semestre, realizando um ano completo.

 

GC: Como foi o processo do visto?

AC: Eu tirei meu visto através de uma agência de viagens, que me auxiliou na parte burocrática (o que é bem indicado para uma primeira vez no intercâmbio). Como havia dito anteriormente, eu havia viajado para Vancouver num período de um mês e para essa viagem eu tirei o visto de turista com a agência (o que foi muito fácil e rápido, para o visto canadense nem é preciso ir a uma embaixada como o americano). Como meu intercâmbio para Ottawa foi programado inicialmente para a duração de apenas um semestre; não foi necessário fazer outro visto, pois para 6 meses só é requerido visto de turista. Todavia, quando decidi estender para mais um semestre, foi necessário entrar com o pedido de visto de estudando (Student Permit). Todo o processo foi realizado pela minha companhia de viagem que tinha uma sede lá no Canada mesmo, para esse tipo de auxílio. Se você está pensando em ficar um ano todo, será necessário o visto de estudando desde o começo (o que seria até mais fácil, pois evita as complicações futuras para a extensão).

 

GC: Como foi se adaptar com o inglês?

AC: É bem difícil mudar para um país, onde você não conhece a família, a escola, a língua e os costumes. Uma das minhas maiores frustrações foi, com certeza, o inglês. Uma coisa é, ir viajar de férias e usar o inglês como um turista, e outra é precisar do inglês para se comunicar no dia a dia; como apresentar trabalhos ou aprender matérias na escola, para tentar estabelecer relações significativas de amizade com pessoas, para se expressar de uma forma verdadeira e legítima. E é sim difícil, algumas vezes, achar as palavras exatas, nos momentos certos. Eu convivia com canadenses e sempre comparava meu inglês com o deles, e obviamente, me decepcionava; porque o nível não era o mesmo. Eu acabei percebendo que minha situação era completamente diferente de um nativo que falava inglês desde que nasceu. E com o tempo, meu inglês foi melhorando naturalmente ao longo do processo. O meu conselho em relação a isso, é ter a mente e o coração abertos para falhar mais que o esperado e para ser o estranho/perdido por um tempo; faz parte da experiência e te dá a oportunidade de aprender com as outras pessoas.

GC: Pretende voltar algum dia para o Canadá?

AC: Com certeza! Em breve espero.

 

IMG_6018 (1)

GC: Qual tipo de intercâmbio você fez?

AC: Meu intercambio foi de estudo em uma escola de ensino médio (High School).

 

GC: Como era a sua rotina?

AC: Durante a semana, eu acordava ás sete da manhã. Pegava o ônibus para ir pra escola e pra volta. Minhas aulas começavam as nove e vinte e o almoço era ao meio dia (lá na escola mesmo) porque eu tinha aula até as três e vinte. Duas ou três vezes por semana eu ficava na escola depois das aulas porque eu tinha treino ou jogo (com os times de basquete e rugby). Depois voltava pra casa e jantava com meus pais entre umas seis/sete. Mais tarde eu tinha aula de kickboxing em uma academia de luta perto da minha casa (o currículo brasileiro exige que os alunos de intercâmbio escolar façam atividade física pelo menos 3 vezes por semana; o esporte na escola conta pra isso, mas eu queria fazer alguma coisa diferente). De noite, terminava algum trabalho da escola e ia dormir umas dez/onze horas. De final de semana, eu passava o dia fora com meus amigos ou minha família e estudava um pouco para as aulas da escola.

GC: Qual país que você ficou? E qual foi a duração?

AC: Eu fiquei no Canada (cidade Ottawa) durante 10 meses (um ano escolar completo).

 

GC: Qual comida que mais e menos gostou?

AC: Com certeza a minha refeição preferida era o típico café da manhã canadense que minha família fazia todo sábado de manhã. Ovos, bacon, torrada e batata!! Que delícia!! A única coisa que eu não gostava muito, mas é bem típico da culinária de lá, era o feijão com caldo doce que eles tem o costume de comer em algumas refeições.

 

GC: Como eu sei qual nível de inglês eu devo cursar?

AC: Assim que eu cheguei lá, tive que fazer alguns testes para verificar meu nível de inglês e também de matemática para as aulas da escola. É um teste que envolve conversação, escrita (redação) e alguns exercícios de matemática. E a partir dos resultados, fui direcionada para o nível adequado. Dependendo do seu nível, existem dois tipos de aula de inglês na escola (pelo menos em Ottawa): o chamado ESL (“English as a Second Language”) que é geralmente para alunos internacionais que tem um nível de inglês mais básico; ou aula de inglês normal, que seria o mesmo nível dos canadenses. O legal desse tipo de aula é que você consegue ver exatamente, como os próprios canadenses aprendendo o inglês lá.

 

Quem já fez intercâmbio em um momento da vida, sabe como é bom; isto é traz muitos benefícios para nós, se tornando algo enriquecedor tanto para a vida pessoal; quanto a profissional.

Ah, durante a viagem, a Ana Clara e sua parceira de viagem Lívia, tiveram a brilhante ideia de criar um blog. Quem estiver interessada (o), acesse lá www.cacao16.wordpress.com.

Dicas – por que viajar sozinha?

Viajar é com certeza a melhor forma de viver, de aproveitar cada momento e é a melhor forma de gastar dinheiro sem pesar na consciência. Mas e quando você sonha com uma viagem e não tem ninguém para te acompanhar? Bom, isso na verdade é uma situação normal, e não é o fim de mais um sonho.

Além de adquirir experiências, pelo caminho você pode conhecer muita gente bacana e ter suas próprias escolhas e opiniões.  É uma sensação incrível de liberdade e descobertas é um frio gostoso na barriga.
Quando estamos sozinhos aprendemos a olhar o mundo e as pessoas de uma forma diferente, sem outras palpitações. É uma ótima oportunidade para abrir a mente.

A decisão não é fácil, mas é o suficiente para alcançar autoconhecimento. A viagem deve ser muito bem planejada, afinal, é uma viagem como qualquer outra. Por isso, o primeiro a fazer é decidir o local de destino e pensar nas rotas, passeios, e lugares que irá visitar, caso perca documentos ou vouchers você será a única responsável e não terá ninguém para te ajudar a encontrar, então, o importante é deixar tudo organizado para curtir um bom passeio.

No começo não é uma tarefa fácil, requer muita coragem e determinação. Com certeza vai bater um medo, principalmente se não conhece o local, mas certamente será uma experiência incrível. Se o seu medo é de ficar sozinho, posso lhe assegurar que vai depender do seu roteiro, muitas pessoas viajam sozinhas o tempo inteiro, e algumas delas viajam para encontrar diferentes pessoas e grupos que podem se encaixar, hoje, existem grupos e páginas sociais que fazem esse trabalho, criam grupos com usuários de diferentes lugares para uma viagem em que muitos estão sozinhos.

Viajar sozinho não é o fim do mundo, pelo contrário é só o começo de muitas aventuras pelo caminho. Você poderá aproveitar tudo da melhor forma, é você quem faz o seu roteiro e mais ninguém. Então garota, aproveite e curta cada momento.

A vida de um mochileiro nômade

Vitor Eduardo Afonso, conhecido como Vince, tem 29 anos, é publicitário e é considerado um mochileiro nômade. Vitor que já viajou para a Bolívia, Peru, Argentina, Uruguai, Paraguai, Panamá, Costa Rica, Guatemala, Belize, México, Estados Unidos, Portugal, Austrália, Nova Zelândia, Tailândia, Camboja e Indonésia. (ufaaaa, fiquei até sem fôlego).
O publicitário não vive disso, mas viajar faz parte da sua vida, o torna realizado e muito feliz.

Em entrevista, Vitor nos contou um pouco sobre suas aventuras:

GC: Quais as maiores dificuldades encontradas nos locais que já visitou?

VINCE: Isso é bem relativo, pois existem lugares onde a língua pode ser uma grande dificuldade, principalmente em países onde não se fala inglês ou espanhol. Outros locais onde as condições climáticas não favorecem, e/ou a comida não é exatamente aquela que a gente está acostumada. Mas, sempre fui bom de garfo, por isso, acho que não posso citar comida como sendo uma grande barreira.

GC: Qual a viagem que mais te marcou?

 VINCE: Toda viagem é única e traz algo especial. Tenho ótimas lembranças da Bolívia, onde passei quase dois meses com o povo local, é sem dúvida um marco na minha história de viajante.

GC: Já sofreu algum mico em alguma viagem realizada?

VINCE: Vários! (risadas). No Camboja, por exemplo. Por  uma questão religiosa e cultural, não se pode em hipótese alguma tocar a cabeça de uma criança, mesmo que seja de forma carinhosa. Por não saber disso quase apanhei de um grupo de 20 pequeninos em um orfanato onde fiz trabalho voluntário.

GC: Qual sua meta até final de 2016?

VINCE: Acabei de voltar de uma grande viagem. Foram quase dois anos fora do Brasil, trabalhando, estudando, viajando e com muita saudade da família, amigos e tudo mais. Pretendo passar um tempo aproveitando o Brasil, apesar da bagunça política e econômica que estamos enfrentando. Além disso, comecei a estudar alemão; morar em Berlin está no meu bucket list. Quem sabe eu realize este sonho ainda este ano.

GC: Pra você viajar é…

VINCE: Viajar para mim é tudo. É Liberdade e auto conhecimento. Sair da zona de conforto é algo inspirador. Viajar não precisa ser para longe, nem uma viagem cara, ou de avião. Eu viajo todo dia sem grana, com os livros que leio, com as histórias que ouço, com as conversas que tenho com tanta gente interessante, nas mais diversas situações. Ver paisagens e belezas naturais é consequência e nada me alegra mais do que viajar no mundo,  conhecer pessoas e amigos, que faço por aí.

Se inspirou? Quer saber mais sobre o nosso aventureiro Vince? Acesse a página do facebook  Não tem sobrenome e conheça mais sobre suas histórias, trajetória, viagens, aventuras,  e muito mais.

Vamos embarcar em uma Eurotour

Que tal fazer uma Eurotour? Conheça alguma das cidades mais incríveis da Europa

Londres

architecture-2715_1920

Londres é realmente a cidade mais famosa da Europa, o intuito de muitas pessoas que vão para a Europa é de simplesmente conhece-la. É uma cidade linda cheia de histórias e com certeza de muitas novidades. O seu grande problema é a libra, que não é uma moeda barata, custa em torno de R$6,00. Mas passar alguns dias por lá vale realmente a pena. A Inglaterra tem uma das mais requisitadas Universidades do mundo Oxford e Cambridge estão entre elas, em Londres você também pode conhecer o Palácio de Buckingham, andar nos famosos ônibus vermelhos e conhecer o lindo Big Ben e o Castelo de Windsor onde mora a família Real. A Tower Bridge é outro ponto turístico sensacional;  um dos cartões postais de Londres e o tão conhecido Madame Tussauds- Museu de cera, onde estão expostos bonecos idênticos feito de cera de pessoas  famosas, dentre elas estão: Barack Obama, o casal Angelina Jolie e Brad Pitt, Jhonny Depp, entre outros

Oia

oia-416135_1920

Oia- é uma pequena cidade localizada na Grécia “pintada à mão” as casas e esculturas tudo remete ao povo grego, tudo na cor branca e azul,Oia é banhado de um mar que a noite tem uma vista espetacular. Elas são conhecidas pelas igrejinhas de cúpulas azuis. Oia é cheia de ruelinhas estreitas.
Um dos pontos mais conhecidos é Santorini, uma pequena ilha, nadar, mergulhar e conhecer as caldeiras vulcânicas pode ser uma das atrações encontradas por lá. Como é um dos lugares mais procurados da Grécia a estadia por lá pode sair salgada. Para aproveitar a viagem o mais legal é conhece-la no verão, pois as ilhas podem fazer muita ventania. Os meses mais apropriados são de abril até setembro.
Para conhecer mais sobre a cidade você pode assistir o filme Quatro amigas e um jeans viajante, o filme foi gravado na região e conta um pouquinho da cultura grega.

Verona

verona-561888_1920

Verona está com certeza dentre as cidades mais românticas não só da Itália, mas do mundo.  Uma cidade “pequena”, mas com uma beleza assustadora. Verona está localizada às margens do Rio Adge, é uma cidade que traz muita curiosidade dos turistas por suas estórias de amor. Em um passeio pela cidade não têm como não se lembrar da linda e trágica história de Romeu e Julieta, duas famílias divididas e dois jovens que se amaram de tal maneira que os levaram a morte… Verona é detalhada pelo autor da obra William Shakespeare e hoje é conhecida como a cidade dos namorados. Em uma visita ao centro,  é possível adentrar a Casa de Giulietta, tirar foto com a estátua da moça e subir até o balcão de seu quarto– Ainda não se sabe se realmente a história do casal aconteceu em Verona, pois, foi apenas descrito pelo autor.
Em Verona está localizada uma das arenas da Itália, (Arena de Verona)– local onde ocorriam grandes batalhas. Hoje o local é disponível somente para visitação ou shows que acontece na cidade.
Não tem como não se apaixonar pela cidade, pela cultura e moda dos veroneses.

Madrid

madrid-385104_1280

A Espanha tem muitas cidades conhecidas como: Barcelona, Sevilha e Valência, mas a escolhida para falarmos hoje é Madri ou Madrid, a Capital da Espanha.

Em Madrid não dá pra ficar parado, por lá você pode conhecer seus famosos museus, esculturas e até mesmo o estádio de futebol. Um lugar imperdível é a Plaza Mayor, que nada mais é de uma praça cercada por prédios. Pessoas se reúnem para confraternizarem com os amigos, e para aproveitar os pratos deliciosos da gastronomia espanhola. Vale a pena conhecer e se aventurar.

Lisboa

small-field-993529_1920

Lisboa é a Capital e a cidade mais populosa de Portugal, país colonizador do Brasil. Lisboa é uma cidade grande ibérica, por isso, caso queira viajar para conhecê-la deve dispor de tempo para ver maior número de atrações.  Os turistas caem no ritmo dos passeios, fazem tours pela cidade, passeiam entre as igrejas e castelos e no final caem às compras.

Alguns turistas se esquecem que estão em outro país e não tratam os portugueses com educação, eles sentem por serem muito gentis principalmente ao dar uma informação. Desta forma se você pretende conhecer Portugal deve-se lembrar de educação sempre.

Paris

louvre-102840_640

Aaaa Paris, só de pensar em você vem na minha mente aquelas trilhas de piano, lenta e calma que só a França tem… Um estilo moderno que os parisienses têm… Aaaa Paris.

Paris é a cidade mais famosa da França, hoje quando pensamos na França automaticamente a assemelhamos à Paris, a cidade luz. Paris é dona de um dos cartões postais mais famosos  do mundo: A linda e delicada Torre Eiffel, criada por Gustavo Eiffel em 1889 e ela é hoje o ponto turístico mais visitado do mundo.

Paris assim como uma cidade europeia trás consigo atrações privilegiadas como o Museu  do Louvre, onde hoje esta localizado o quadro da Monnalisa, o Famoso Arco do Triunfo, e suas lindas catedrais, sendo a mais famosa a Catedral de Notre Dame.

Bruxelas

belgium-1138450_1920

Bruxelas é capital e a cidade mais populosa da Bélgica, infelizmente a cidade passou recentemente por um atentado, mas, não consegue evitar de ser uma cidade linda. Sua Torre Eiffel é uma molécula gigante o Atomium, que foi construído em 1958 para a expo58.  Bruxelas é composta por diversas construções no estilo gótico, clássica e barroca.

Amsterdã

amsterdam-1089646_1920

Amsterdã é a capital e a cidade mais populosa da Holanda, ela faz parte dos países baixos. Amsterdã é conhecida como a cidade das bicicletas, embora, pedalar pelas ruas estreitas se torne difícil e um tanto caótico. A cidade tem um ar romântico, e é possível realizar passeios de barcos nos lagos que banham a cidade. Amsterdã, assim, como as cidades europeias são compostas por castelos, mas para quem adora os museus irá gostar da sugestão: Visitar o museu de Anne Frank, (Uma adolescente morta em um holocausto, que se tornou conhecida após ter seu diário publicado).

Viena

vienna-933500_640

Viena localizada na Áustria, país que faz fronteira com a Itália. Viena é uma cidade cheia de estruturas e construções inigualáveis com castelos e catedrais. Viena é uma cidade cheia de histórias e curiosidades. É também conhecida como a cidade da música, Mozart e Beethoven  deixaram a sua marca, a cidade pode ser admirada em suas cafeterias, lugar que o povo vienense adora.

Dublin

dublin-698205_1920

A Irlanda tem crescido muito com relação à intercâmbios. A cidade é repleta de pub’s e baladas. Dublin é uma cidade plana, excelente para fazer uma caminhada, e admirar o barrique é cheio de prédios, galerias e muita arquitetura do século 18.
Dublin é a capital e a maior cidade da Irlanda, a festa mais conhecida em todo país é o dia se São Patricio (Saint Patricks’s Day) em homenagem ao santo padroeiro. É uma espécie de Carnaval com muita cerveja. Todos se vestem de verde e laranja e saem para as ruas para comemorar. O evento é comemorado 17 de março.

Muitas pessoas optam em viajar para a Europa por conta da facilidade, ou seja, menos burocracias. Você pode permanecer no país escolhido por até 3 meses sem necessidade de visto, apenas passaporte. Viu como é mais fácil.
Cada uma das cidades tem sua diferença, mas as cidades europeias partilham de uma mesma coisa, CULTURA e muita MODERNIDADE, a Europa leva em sua gastronomia seu diferencial, com pratos divinos. Os europeus são grandes apreciadores de um bom vinho, e são famosos também por seus perfumes e estilo deslumbrante.

 

Exposição mulheres artistas: As pioneiras inaugura na pinacoteca de São Paulo

Neste sábado (13/6) foi inaugurada na pinacoteca de São Paulo a exposição “Mulheres artistas: As pioneiras (1880-1930)” com participação das obras de Tarsila do Amaral, Anita Malfatti, Beatriz Pompeu de Camargo e outros grandes nomes da história da arte brasileira que ganharam espaço em duas salas do museu.

 
 
objetivo da reunião de mais de 50 esculturas e pinturas, é mostrar o modo como estas mulheres contrariavam o pensamento da época que tentava restringi-las à ambientes domésticos. 
Algumas das obras nunca foram vistas por públicos ampliados; entre os destaques da exposição está um dos estudos dos famosos nus de Tarsila (1921).
 
Pinacoteca (terça à domingo, das 10 às 18hrs) – Praça da Luz, 2, São Paulo.
 De 13 de junho à 6 de setembro de 2015.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén

%d blogueiros gostam disto:
Aguarde...

ASSINE A NEWS

Digite seu endereço de e-mail e seja a primeira a saber quando tiver alguma novidade por aqui. ;)
PageLines