Quem nunca teve o interesse de saber quem dubla tal atriz ou aquele personagem? A entrevista desta semana será com a atriz e dubladora Angélica Santos. Dubladora há 33 anos, ela é bastante conhecida por emprestar sua voz a personagens, como do ‘Cebolinha’, da Turma da Mônica, a Reese Witherspoon em ‘Legalmente Loira’ e Angelina Jolie, em ‘Tomb Raider’ eColecionador de Ossos”.

 

Ficou interessada? Veja conhecer mais do trabalho da Angélica, a seguir:

 

Garota da Cidade: Você é dubladora há bastante tempo. Como começou a carreira?

Angélica Santos: Sou dubladora há 33 anos, e comecei como bailarina. Fui fazer o teste para a Turma da Mônica que iria ter de bonecos (eles faziam peças de teatro e viagens) e lá fiz o teste para a personagem Mônica, e eu passei. Dali, comecei a fazer a teatro. Depois de um ano que eu estava na Maurício de Souza, fazendo a Mônica, eles fizeram outros testes para as vozes dos personagens, na verdade já existia a turma que fazia cerca de um ano – era umas cantoras da época. Mas elas sempre tinham problemas de horário. Então o Márcio, irmão do Maurício pediu para a gente fazer um teste, pra ver se a gente pegava para ter mais horário. A Turma da Mônica precisava de mais tempo, pois eles iriam começar a fazer outros filmes (eles já tinham feito um filme).

Na verdade, fiz o teste para Magali, porque minha voz era bem parecida com a dela. Porém, o Márcio e o Maurício de Souza falaram ‘Não, esta menina é Cebolinha’ (risos). Aí eu comecei a fazer o Cebolinha.

Então, meu grande personagem da vida inteira e que eu comecei, foi o Cebolinha, e foi bom, pois estava estrelando um personagem já famoso e conhecido desde aquela época (risos).

 

GC: Como que é o processo de dublagem? São feitos testes para ver se a voz se encaixa para o papel?

AS: Assim, para as grandes séries como Bob Esponja e Disney, você tem que fazer teste para os personagens. Já quando é um longa-metragem; é raro você fazer um teste, como no caso da personagem da Angelina Jolie, eu fiz o teste.

Eu fiz testes para algumas séries, tipo Anos Incríveis. Mas outras não. Outras eu sou escalada pelo diretor; o diretor conhece meu potencial, conhece minha voz, e escala para fazer determinada atriz ou personagem.

E geralmente você pega algumas atrizes, que a gente chama de boneco, e ‘veste’ esses bonecos. As atrizes que eu costumo vestir são a Angelina Jolie, Penélope Cruz, Cameron Diaz, Drew Barrymore (Para sempre Cinderela, Nunca fui beijada) e Brittany Muphy.

Antes o boneco era respeitado, mas hoje em dia não. Essas atrizes são algumas que eu fiz durante a minha carreira e continuo fazendo.

 

GC: Quais personagens você dubla? E qual foi o que mais gostou?

AS: O que mais gostei, com certeza, foi o Cebolinha. Mas adoro fazer as personagens da Reese Witherspoon. Prefiro fazer comédia. Quando tem atrizes de comédia, eu adoro.

 

11150530_10152943272039685_8792171756575734294_n

Angélica no estúdio com seus colegas de trabalho.

 

GC: Já te pararam na rua por reconhecer sua voz ou não?

AS: Parar na rua nunca aconteceu, porém eu fui fazer uma compra na farmácia e eu estava conversando e a atendente me disse: “Você é dubladora né?” (Eu só fiquei olhando para cara dela).

Outra vez, eu fui comprar uma mala, e a moça ficava me olhando e perguntava:

– “Eu te conheço?”

– “Não, não me conhece”

– “Você é atriz é?”

– “Sou”

– “Você trabalha na Globo?”

– “Não”

– “Você é cantora”

– “Não”

– “Você é locutora?”

– “Também não”

Dentre alguns minutos eu fui falar com minha filha, Mariana, e ela logo reconheceu minha voz (risos).

Também, teve outra situação também, que nunca me esqueço, que eu estava na loja da Renner, e quando eu fui perguntar quanto eu devia; logo de cara, o funcionário falou “Você é dubladora!”. Na hora, fiquei com a maior vergonha do universo (risos).

 

GC: Quais são as dificuldades de ser um (a) dublador (a)?

AS: Tem que ser ator, saber interpretar, ter um bom feeling, uma boa sincronia, uma rapidez de pensamento. Não precisa decorar muito texto longo, mas tem que ter uma rapidez de decorar e depois deletar (depois nossa memória fica péssima, alias!).

Para quem começa, acredito que tenham muitas dificuldades, porque afinal de contas, você escuta uma língua que não é a sua, e por sua vez, você tem que ler um texto que está traduzido, precisa também sincronizar perfeitamente e colocar no original e copiar exatamente o que aquele ator ou atriz fez; então são muitas informações.

Mas para mim, hoje é muito mais tranquilo e fácil. É interessante, por que todo dia vou pegar um personagem novo e tem uma dificuldade nova. Atualmente, tem o protus uma máquina que ajuda a sincronizar para idosos e crianças.

 

GC: Você acha que os dubladores tem o reconhecimento que merecem no mercado?

AS: Antigamente não; mas hoje o reconhecimento melhorou por causa do animes. Acho que os desenhos japoneses, trouxeram um monte de fãs, e nos fizeram conhecer ainda mais. O valor monetário melhorou muito também desde quando eu comecei até agora. Mas eu ainda penso que tenha um grupo de empresários que acredita que qualquer um faz, pode ser substituído, ou até uma máquina poderia fazer.

O que eu acho um absurdo é colocar startalents para fazer os filmes. E na verdade, na maioria dos casos, se não for bem escolhido, acaba estragando o filme; porque eles não tem a prática, alguns não são atores; então quem escolhe; escolhe errado – deveria ser escolhido pelo diretor do estúdio.

Tem filmes que eles estão na mídia a respeito do filme, pois um certo ator que dubla, etc. Esses dias eu vi que a Marília Gabriela e o ator da Porta dos Fundos iriam dublar o filme “Procurando Nemo”, e a principal dubladora do filme, nem comentaram dela; é um absurdo!

 

GC: Algum de seus filhos pretende seguir a carreira?

AS: O Pedro, meu filho mais velho, já chegou a dublar quando tinha 10 anos, mas voz dele começou a mudar e ele acabou desistindo. Mas eu não quis forçar a nada!

O mais novo, o Enzo dubla desde os 5 anos e, mas (hoje, Enzo tem 8 anos) de uns tempos pata cá, ele não dubla muito. Ele gosta, porém eu priorizo a escola, então eu não sei se ele vai querer realmente. Como dizem que filhinho de peixe, peixinho é (risos), então algum filho meu talvez seja dublador! Mas para mim tudo bem, se não for, vá fazer o que quer!

 

GC: Angélica, você tem alguma dica em especial para alguém que queira trabalhar com dublagem?

AS: Vá estudar; ser ator; tirar seu DRT e faça um curso de dublagem para ver se é isso que quer; porque isso é um dom particular. Muitos atores não conseguem dublar; atores de TV, de novela, de cinema, de teatro mas, você vê que, as vezes, na dublagem ficam não ficam bons. São mídia diferentes.

Primeiro, seja um ator e depois descubra a sua mídia. Eu amo o que eu faço e me divirto todos os dias, e esta é a dica que eu dou. E aproveite!

The following two tabs change content below.

Mariana Lazaroto

Comentários

Comentários